Portal da Cirurgia Plástica - BG Cirurgua Plástica
Avenida Olegário Maciel, 414 / 303 - Barra da Tijuca - Rio de Janeiro - RJ
21 2493-8206 -- 21 98555-3344

Adriana

<< Voltar aos depoimentos

“Ao completar meus 18 anos, cheguei à conclusão de que meus seios não iam crescer mais do que já haviam crescido. Eles eram bem feitos mas, pequenos e isto realmente me incomodava. O tempo foi passando e as próteses de mama começaram a ficar mais populares, com diversas atrizes de televisão fazendo implantes. Minha mãe havia trabalhado como secretária numa clínica de cirurgia plástica e tinha muitos amigos no setor. Já com 22 anos comecei a conversar com ela sobre a idéia de me submeter a um implante de próteses de silicone e insisti no assunto.

Ela primeiro reuniu informações variadas sobre implantes e fez com que eu lesse tudo, principalmente a parte relativa à necessidade de substituição das próteses, em média, após 10 anos. Assim mesmo continuei firme em minha decisão de me submeter à cirurgia . Marquei uma consulta , informei-me mais e esclareci as últimas dúvidas. Na mesma ocasião marcamos minha cirurgia, nos decidimos pelas próteses com revestimento de poliuretano e escolhemos os possíveis tamanhos, a serem confirmados durante o implante. No dia marcado, cheguei cedo para a internação.Eu estava tranqüila e tudo correndo bem.

A minha mãe teve um papel importantíssimo na escolha do volume, pois confio muito na opinião dela e somos grandes amigas.

E nada melhor do que uma mãe-amiga para resolver assuntos de mulher. Escolhemos uma prótese de perfil alto, que ficasse mais harmoniosa com a minha estrutura. Quando acordei, embora meus novos seios estivessem cobertos com ataduras, já pude ver o volume tão desejado. Passei muito bem e tive alta no dia seguinte. Seguindo fielmente as instruções que me foram dadas, todos os dias fazia massagens suaves nos seios movimentando as próteses e fiquei sem dirigir durante um mês. Minha recuperação foi excelente e o resultado maravilhoso. Hoje estou super feliz. Meus seios ficaram muito naturais e graças ao que os doutores chamaram de “inclusão transareolar”, a cicatriz ficou imperceptível. Por isso, quando alguma amiga que não tem muito seio me pergunta sobre este tipo de cirurgia, sou sua entusiástica defensora.”