Portal da Cirurgia Plástica - BG Cirurgua Plástica
Avenida Olegário Maciel, 414 / 303 - Barra da Tijuca - Rio de Janeiro - RJ
21 2493-8206 -- 21 98555-3344

MEMBRO INFERIOR PRÓTESE PANTURRILHA

MEMBROS

culo1

MEMBRO INFERIOR

pant1

PRÓTESE PANTURRILHA

As próteses de panturrilha são usadas para dar maior volume ao contorno dessa região da perna e inicialmente foram criadas para minimizar desigualdades causadas por malformações congênitas, sequela de poliomielite, doenças neurológicas, traumatismos e outros. Nas últimas décadas este procedimento vem sendo também indicado com finalidade estética tanto para homens quanto para mulheres que desejam aumento da “batata da perna”, particularmente naqueles que não conseguem aumentá-la com exercícios físicos ou por serem muito finas constitucionalmente. Existe uma grande variedade de formas e tamanhos de implantes para os diversos casos. São feitos em elastômero ou preenchidos com gel coesivo de silicone.

  1. A musculatura da perna é composta por catorze músculos situados nas porções anterior, posterior e lateral da coxa, entre os quais os gastrocnêmicos que fazem a flexão do joelho e a flexão plantar do tornozelo. O gastrocnêmio está intimamente relacionado ao procedimento cirúrgico de implante de prótese de panturrilha.pant2
  2. A maior ou menor musculatura da batata da perna depende de fator constitucional e hereditário principalmente. A hipotrofia constitui a principal queixa dos pacientes que procuram esta cirurgia, pois se sentem incomodados com panturrilhas muito finas e por não conseguirem que engrossem mesmo fazendo exercícios localizados. Alguns até explicam que conseguem aumentar outros grupos musculares com a musculação, mas o mesmo não acontece com as panturrilhas; a explicação é o caráter constitucional individual, como já descrito.

    pant3
  3. Outra situação que compromete o aspecto das pernas e a forma das panturrilhas se origina de algumas alterações estruturais nos joelhos, que interferem no posicionamento das pernas; tais como o genu valgum (joelhos muito juntos) ou genu varum quando muito afastados. O tratamento deste tipo de alteração é de responsabilidade da ortopedia; os implantes de próteses não servem para qualquer tipo de correção; no máximo podem minimizar o aspecto da deficiência medial do gastrocnêmio no genu varum.

    pant4
  4. A possibilidade para o implante de prótese de panturrilha está relacionada com a presença de hipotrofia da musculatura da panturrilha como um todo, considerando sua dimensão, formato e qualidade da pele, seja constitucional ou adquirida, especialmente nos casos de poliomielite e ou sequelas de doenças neurológicas e trauma.
  5. Há de se considerar a relação conteúdo versus continente e a forma cilíndrica da perna limitada pela pouca distensibilidade da pele nesta região. Portanto, nem sempre é possível acrescentar o volume e dimensão desejada pelo paciente e sim o que é possível diante das limitações impostas pelo seu próprio corpo. Prótese não é músculo e o volume escolhido deve ser bem estudado de acordo com a capacidade e limitações individuais.pant6
  6.  O implante das próteses é feito na parte posterior da perna, através de uma incisão no oco poplíteo. A prótese é colocada abaixo da aponeurose de cobertura dos gastrocnêmicos; portanto não preenche tornozelo onde estão os tendões de várias musculaturas formando o tendão de Aquiles.pant7
  7. Há dois tipos de formato de próteses: o simétrico com as extremidades igualmente afiladas, que mantém uma uniformidade longitudinal e o assimétrico, que tem uma forma mais arredondada em sua porção superior. A escolha de uma ou de outra irá depender da necessidade do caso em avaliação.
  8. pant8Características dos implantes: além das formas simétrica ou assimétrica eles apresentam-se em diversos tamanhos e são feitos em elastômero e preenchidos com gel coesivo de silicone com resistência e consistência próprias à região a que se destinam.

 

BATE PRONTO

cr9

Anestesia: peridural, raque ou geral.

Internação hospitalar: 24 ou 48 horas.

Duração da cirurgia: +/- 2 horas.

Retorno ao trabalho ou estudos: após 30 a 40 dias, variando conforme evolução individual.

Limitação: evitar exposição solar, serviços domésticos, exercícios físicos e dirigir no primeiro mês. O período pode ser estendido conforme evolução individual.

Deambulação:  já pode ser feita no segundo dia de preferência auxiliada com uma pessoa  em decorrência da sensibilidade dolorosa está presente de acordo com cada paciente.

Cigarros/Bebida alcoólica: devem ser evitados, pois prejudicam a cicatrização, a recuperação e alteram o efeito da medicação.

Eventos indesejáveis: hemorragia, hematoma, seroma, infecção, deiscência (abertura) da sutura, deslocamento ou extrusão da prótese, contratura capsular, hérnia muscular, cicatriz inestética.